Sam and Max: Hit the Road (PC)

Voltando aos jogos de aventura gráfica do género point and click, há ainda uns quantos daqueles que são considerados grandes clássicos no género que eu nunca tinha ainda jogado e a série Sam and Max era uma delas. Até que chegou ao dia, há coisa de uns 2 ou 3 meses atrás, que vários clássicos da LucasArts estavam em promoção no GOG.com. Escolhi alguns seleccionados a dedo, paguei um preço muito reduzido, e lá comecei as aventuras dos “Freelancer Police” da dupla antropormófica Sam e Max.

Essa dupla teve as suas raízes na banda desenhada, algures na segunda metade da década de 80. Os protagonistas são dois investigadores privados que vão resolvendo vários mistérios e crimes, mas de uma forma bem cómica e ironicamente sem grande respeito pela lei, acabando por causar ainda mais confusão. Ora é uma premissa perfeita para os jogos de aventura point and click bem humorados que a LucasArts produziu na década de 90. Aqui a dupla de investigadores é chamada a uma feira popular (daquelas com divertimentos) para investigar o desaparecimento de um Bigfoot gelado e de uma performer muito caricata por ter o pescoço mais comprido do mundo. Ora quem os recebe são os donos da feira popular, uns irmãos siameses unidos pelas costas e com personalidades completamente distintas entre si, o que dá para antever logo muita bizarrice e algum humor negro, o que eu aprecio bastante. Depois lá iremos visitar vários locais turísticos no interior dos Estados Unidos, para obter novas pistas e encontrar o paradeiro do Bigfoot desaparecido e da “mulher girafa”. Locais como o “maior novelo de linha do mundo”, ou um parque jurássico com robots enferrujados ou com pessoas a fazer bungee jumping em elásticos verdes a partir dos narizes dos presidentes americanos do Mount Rushmore, são apenas alguns dos locais que teremos de explorar.

À medida que vamos progredindo na história, desbloqueamos novas localizações para explorar

A jogabilidade é simples na sua essência, onde tal como na maioria dos videojogos deste género teremos de dialogar com as personagens que nos vão aparecendo, explorar os cenários, interagir com/e apanhar objectos, muitas vezes misturando-os no inventário. A maneira como vamos alternando estas acções consiste em mudar o tipo de cursor do rato. Mudando para um olho, podemos observar e comentar sobre outros NPCs e objectos do cenário ou inventário, ao mudar o cursor para uma boca permite-nos dialogar, existindo outros cursores para agarrar objectos, mover para determinado sítio entre outros, como o cursor do Max, que faz com que o Sam peça ao Max para fazer qualquer coisa, geralmente andar à porrada com alguém. Os diálogos são também tidos em conversas por tópicos, cujos tópicos estão também marcados com diferentes ícones. De resto, a aventura possui ainda uns quantos mini-jogos pela frente. Alguns obrigatórios para a progressão na história, como um Whack-a-Mole lá no parque de diversões, outros completamente opcionais, como uma variante do jogo de tabuleiro da Batalha Naval.

Logo pela cutscene introdutória, dá para entender que esta vai ser uma aventura muito especial

A nível técnico é um jogo excelente, tal como seria de esperar. Os gráficos são extremamente bem detalhados e animados, especialmente para quem gostar de pixel art. Os cenários são também bastante variados, atravessando os Estados Unidos de uma ponta à outra, sempre com boa disposição à mistura. O voice acting também é bastante agradável, assim como as músicas que possuem sempre um feeling muito jazzy, bem característico de filmes policiais, mas também com aquele toque de bizarrismo mais carismático de séries de animação.

Temos também vários minijogos para participar. Alguns são obrigatórios para progredir na história, como este.

No fim de contas é um jogo que considero um grande clássico da época. Tenho muita pena em não o ter jogado há mais tempo e sem dúvida que assim que me aparecer uma versão física à frente a um bom preço não vou perdoar! Infelizmente o segundo jogo da saga que seria desenvolvido pela LucasArts acabou por ser cancelado, e a licença da série em videojogos apenas passou de mãos para a Telltale já muitos anos depois. Em breve irei jogá-los!

Anúncios

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PC com as etiquetas . ligação permanente.

Uma resposta a Sam and Max: Hit the Road (PC)

  1. Pingback: Sam and Max Season One (PC) | GreenHillsZone

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s