Siren: Blood Curse (Sony Playstation 3)

80722_frontForbidden Siren foram 2 jogos muito interessantes na Playstation 2 que mereciam mais reconhecimento do que aquele que tiveram. Com as suas raízes em folclore e filmes de terror asiáticos, em conjunto com a sua jogabilidade única, são 2 excelentes survival horror com uma óptima atmosfera. Com o lançamento da Playstation 3, a equipa por detrás dos dois primeiros jogos decide recontar a história por detrás do primeiro Forbidden Siren, num remake com várias novidades. O meu exemplar sinceramente não me recordo de quando e onde o comprei, mas certamente não foi caro.

Jogo com caixa e manual

Jogo com caixa e manual

A história possui vários elementos familiares a quem já jogou o primeiro Forbidden Siren. A aldeia de Hanuda marca novamente a sua presença, onde um sinistro ritual foi abruptamente interrompido e várias personagens vêm-se presas num pesadelo de todo o tamanho, cujas histórias vamos presenciando ao longo de vários capítulos. A grande diferença está no elenco que foi completamente mudado, embora seja fácil de traçar alguns paralelismos entre personagens de ambos os jogos, o original, e a reimaginação. Mas o maior problema deste jogo a meu ver está precisamente nessa mudança do elenco. É que decidiram incluir várias personagens norte-americanas: um jovem chamado Howard Writght, curioso pelo sobrenatural e que já vive no Japão há algum tempo; e o elenco de um programa de televisão norte-americano sobre o oculto, que descobre os mitos sobre a aldeia de Hanuda e decide investigá-la. É que todos os jogos desta série são intimamente japoneses, que vão beber muito às suas tradições e folclores, e esta inclusão de yankees acaba por borrar bastante a pintura por se desenquadrarem por completo.

Podemos alternar temporáriamente poara uma perspectiva de primeira pessoa, que dá bastante jeito para usar armas de fogo

Podemos alternar temporáriamente poara uma perspectiva de primeira pessoa, que dá bastante jeito para usar armas de fogo

Por outro lado existem uma série de mudanças na jogabilidade e fluxo de jogo que acabaram por me agradar bastante. O jogo foi lançado originalmente na PS Store como uma obra episódica, onde cada episódio possuía vários capítulos e poderia ser comprado separadamente. Isto obrigou a que o progresso no jogo fosse bastante linear, ao contrário dos jogos da PS2 onde a partir de uma certa altura poderíamos desbloquear e/ou optar por caminhos paralelos ou alternativos, o que resultava numa timeline bastante complexa e que nos obrigava a estar com a máxima atenção e obter pistas adicionais para percebermos o que realmente se estava a passar. Mas apesar da progressão do jogo ser mais linear, não quer dizer que não existam na mesma capítulos paralelos, alternativos, ou que se cruzam entre si, e uma vez mais, coleccionar pistas que podem ser vistas nos arquivos acaba por ser uma mais valia para apanhar mais detalhes que nos possam ter escapado.

Neste jogo o sightjack divide o ecrã com 2 perspectivas de visão, e deixa-nos mover livremente enquanto usarmos a habilidade

Neste jogo o sightjack divide o ecrã com 2 perspectivas de visão, e deixa-nos mover livremente enquanto usarmos a habilidade

As outras novidades estão principalmente no sightjack. O sightjack é uma habilidade psíquica que todas as personagens têm, e consiste em poder ver o mundo pelos olhos de outra personagem, ou shibito. E isto é sem dúvida o elemento de jogabilidade mais importante na série, pois os shibito são zombies imortais que apenas podem ser deixados inconscientes durante algum tempo, voltando a ressuscitar e tornarem-se numa ameaça. Isto obriga-nos a ter uma abordagem bem mais furtiva, pois muitas vezes ou não temos arma nenhuma, ou possuímos uma arma branca que pode ser uma frigideira, faca de cozinha, ou utensílios de agricultura, que não são propriamente as armas mais eficientes. Mesmo quando temos armas de fogo, não deixamos de estar vulneráveis. Então usar o sightjack para descobrir a posição dos shibito, ver o que eles estão a fazer, e principalmente perceber se estamos expostos ou não, acaba por ser muito importante mesmo. Até porque cada capítulo possui vários objectivos para cumprir (desde escapar de uma determinada zona ou tarefas procurar como chaves ou ligar a electricidade) e muitas vezes conseguimos descobrir pistas ao observar o que os shibito fazem. A melhoria face aos jogos da PS2 está no jogo dividir o ecrã ao meio sempre que usamos o sightjack, com a parte esquerda a mostrar a nossa personagem, e a direita o sightjack. Isto permite-nos também que nos consigamos mover enquanto usamos o sightjack, algo que não acontecia nos jogos anteriores.

Ao longo de cada capítulo jogável, vamos ter vários objectivos e subobjectivos para cumprir

Ao longo de cada capítulo jogável, vamos ter vários objectivos e subobjectivos para cumprir

No que diz respeito à apresentação audiovisual possuo também opiniões divergentes. Por um lado a parte sonora está excelente, se nos conseguirmos abstrair do facto de as personagens norte-americanas estarem ali a destoar. O voice acting é bastante competente, as músicas quando existem costumam ser bastante macabras e todos os ruídos que vamos ouvindo contribuem bastante para uma atmosfera bastante tensa. Acho que já não posso ouvir sirenes! No que diz respeito aos gráficos, não acho que seja dos melhores jogos da PS3 nesse aspecto. É óbvio que há uma grande melhoria face aos jogos da PS2 no que diz respeito ao detalhe dos cenários e das personagens (e mesmo os originais da PS2 já eram muito bons nesse campo), mas na qualidade dos gráficos em si é que por vezes deixa a desejar. Principalmente nos níveis que são jogados durante a noite, onde tudo leva com um estranho filtro gráfico que quase parece um pseudo-cell shading que fica ali muito estranho.

Em certas alturas, Siren Blood Curse possui gráficos com uns filtros estranhos

Em certas alturas, Siren Blood Curse possui gráficos com uns filtros estranhos

De resto, e mais uma vez mando a alfinetada às personagens norte-americanas que não deveriam existir (ou pelo menos terem tanta importância) num jogo tipicamente japonês, acho este Siren Blood Curse mais um excelente survival horror, com uma jogabilidade bastante desafiante e melhorada face aos originais da PS2. Mais uma vez (pelo menos algo semelhante tinha acontecido no primeiro Forbidden Siren), a Sony criou alguns websites falsos supostamente criados ou frequentados por personagens do jogo, dando ainda mais algum background às personagens. Neste Blood Curse criaram o blog pessoal de Howard Wright. E também como no Forbidden Siren 2, podemos desbloquear minijogos, sendo estes uma espécie de homenagem às portáteis LCD como a Nintendo Gaming Watch, o que também é algo curioso. Como se isso não chegasse, nós europeus fomos duplamente sortudos, pois por um lado o jogo não saiu em formato físico nos Estados Unidos e a nossa versão PAL inclui ainda um making off que pode ser visto no leitor de vídeo da PS3.

Advertisements

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PS3, Sony. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s