Teenage Mutant Hero Turtles III: Radical Rescue (Nintendo Gameboy)

TMNT III Radical RescueA rapidinha de hoje mantém-se pelas consolas portáteis, desta vez mais uma incursão no mundo dos videojogos das tartarugas ninja que tantas alegrias nos deram quando éramos mais novos. Por acaso nunca tinha jogado os títulos da Game Boy, e este terceiro revelou-se uma óptima surpresa. O meu cartucho foi comprado há uns meses atrás por cerca de 2€ na Cash Converters de Alfragide.

Teenage Mutant Hero Turtles III Radical Rescue - Nintendo Gameboy

Apenas cartucho

Os dois primeiros títulos para a Gameboy eram sidescrollers que se assemelhavam ao primeiro jogo da série para a NES, nada a ver com os beat ‘em ups que a Konami começou por lançar para as arcades e que acabaram também por receber adaptações para as consolas domésticas da altura. Neste terceiro jogo surpreenderam-me bastante ao apresentar mais um sidescroller, mas desta vez fortemente inspirado pela série Metroid. E então como isso funciona? Vamos começar pela história: coisas acontecem e April, Splinter, Leonardo, Raphael e Donatello foram feitos prisioneiros de Shredder e os seus súbditos. A tartaruga que resta é o Michelangelo que tem a missão de salvar toda a gente. Michelangelo tem uma habilidade especial que lhe permite usar os nunchakus como hélices, tornando os seus saltos bem mais longos. Com essa habilidade pode chegar a um sítio e enfrentar o primeiro boss, que o recompensa com uma chave. Depois somos levados a explorar um pouco mais o mapa até que conseguimos abrir uma cela que alberga uma das outras tartarugas, que por sua vez possui uma outra habilidade especial que lhe permite alcançar outras zonas no mapa. E isto repete-se com todas as tartarugas e, com a possibilidade de alternar de tartaruga em tartaruga sempre que nos der jeito, está lançado o mote para mais um metroidvania.

Surpreendentemente, este jogo é um metroidvania bem competente

Surpreendentemente, este jogo é um metroidvania bem competente

Leonardo consegue quebrar alguns blocos ao rodopiar com as suas espadas, Raphael consegue encolher-se na sua carapaça e atravessar passagens demasiado estreitas para os outros e Donatello tem a habilidade de escalar paredes. De resto, a jogabilidade em si é bastante simples mas funcional, com um botão para atacar e um outro para saltar.

No que diz respeito aos audiovisuais é um jogo relativamente bem trabalhado, tendo em conta as limitações da plataforma. Há variedade nos visuais ao longo do mapa, com o mesmo a atravessar cavernas, florestas ou zonas mais high-tech ou industriais. As sprites também são bem detalhadas tendo em conta as circunstâncias e as músicas agradáveis. Pelo menos espero que gostem da música tema da série de animação televisiva, pois a irão ouvir aqui vezes sem conta.

O mapa do jogo, com vários locais de interesse marcados

O mapa do jogo, com vários locais de interesse marcados

No fim de contas para mim este foi um jogo que me agradou bastante. Primeiro pela surpresa de ser um metroidvania, depois por ter visto que foi um pequeno metroidvania mas bem implementado e com uma boa jogabilidade. Está aprovado!

Anúncios

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em Geral. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s