1945 I and II The Arcade Games (Sony Playstation 2)

1945 I and IIUma das coisas que eu mais gosto da Playstation 2 é a quantidade de budget releases que existem nesta plataforma. Já na PS1 haviam imensas, mas na PS2 as coisas chegaram mesmo a outro nível. Mas os budget titles que eu aprecio não são aquele crapware que empresas como a Phoenix Games ou a Midas trouxeram às pazadas, mas sim na sua maioria as importações de budget titles japoneses, de onde se enquadram ports de clássicos arcade ou de outras plataformas. E esta pequena compilação é um desses casos, trazendo-nos os dois primeiros shmups da série Strikers 1945 da Psikyo. Este meu exemplar veio de uma Cash Converters por 2.5€, algures em Agosto deste ano.

1945 I & II The Arcade Games - Sony Playstation 2

Jogo com caixa, manual e papelada

Bom, a primeira coisa que tenho a dizer desta dupla de jogos é que o título é muito enganador. Quando o comprei pensei que estivesse perante alguns jogos da série 19XX da Capcom, que também se especializou em shmups com uma temática algo fantasiosa da Segunda Guerra Mundial. Mas não, estes pertencem à série Strikers 1945, que por algum motivo a palavra Strikers desapareceu desta capa! Mas adiante…

Segunda guerra mundial? Com mechas?

Segunda guerra mundial? Com mechas?

Falando do primeiro jogo, é um shmup influenciado pela WW2 tal como referi acima. Os aviões que podemos pilotar fazem lembrar caças contemporâneos da década de 40, assim como muitos dos inimigos menores que teremos pela frente. Mas rapidamente as coisas acabam por ficar fantasiosas, com enormes bombardeiros e navios de guerra a transformarem-se em mechas, ou a acção levar-nos até ao espaço onde defrontaremos um exército alienígena com bases na Lua. Inicialmente temos ao nosso dispor vários aviões similares a alguns bem conhecidos como o Spitfire britânico ou o Zero japonês, sendo que cada um dispõe de diferentes tipos de ataques. Temos também 8 níveis pela frente, atravessando várias localizações europeias e culminando numa viagem espacial, como já referi.

screenshot

Muitas vezes temos de passar pelo buraco da agulha, mas felizmente só somos atingidos se o projéctil tocar no cockpit

E a jogabilidade é excelente, com o jogo a exigir-nos reflexos de lince, pois com o decorrer da acção os inimigos vão-se movimentando cada vez mais rápido e o número de projécteis no ecrã vai aumentando, bem como os seus padrões de tiro acabam por ficar cada vez mais variados e imprevisíveis. Ou seja, é daqueles jogos que temos mesmo de ter muita prática e para mim é por vezes super difícil perceber precisamente o que está a decorrer no ecrã, pelo que conduzir a nossa nave por buracos de agulha é uma tarefa complicada. Mas claro, temos sempre os power ups para nos ajudar. Cada power up que apanhamos aumenta o nosso poder de fogo, bem como nos coloca uma nave auxiliar ao nosso lado, disparando diferentes projécteis da nossa arma principal. Para além disso, cada nave/avião dispõe de diferentes charge shots e bombs, os tais ataques especiais capazes de causar dano a tudo o que estiver no ecrã e que devem ser utilizados com moderação. No que diz respeito aos audiovisuais é um jogo competente para os padrões de 1995, e as músicas têm sempre uma toada mais épica.

screenshot

Alguém no Japão descobriu o word art e achou um piadão, só pode…

Já o Strikers 1945 II modificou algumas coisas na fórmula, mas a sua identidade permanece, ou seja, o jogo continua a decorrer em 1945, os bosses continuam a se transformar em mechas, embora desta vez não hajam viagens pelo espaço… houve também uma alteração no lineup de aviões disponíveis e as suas armas também se alteraram. A primeira coisa negativa que me salta logo à vista está precisamente no ecrã de selecção dos aviões com os quais queremos jogar. O nome de cada um foi escrito com WordArt do Office!! Fica muito mal na fotografia… de resto a jogabilidade continua bastante insana e exigente. A grande mudança na jogabilidade está na forma como os charge shots funcionam. Agora a sua potência não está relacionada com o número de naves adicionais que temos a nos acompanhar, mas numa barra de energia lateral que se vai preenchendo à medida em que vamos destruindo os inimigos que surgem à nossa frente.

screenshot

Os bomb attacks continuam a ser imponentes, muitas vezes envolvendo ataques de bombardeiros gigantescos

A nível gráfico é um jogo superior ao original. Os níveis possuem backgrounds muito mais detalhados e os ataques especiais bastante coloridos e repletos de efeitos especiais, que dão logo outra vida ao jogo. Já a banda sonora não gostei tanto. Consiste em músicas que tanto imprimem um tom mais rock, ou mais orquestral para aqueles momentos mais épicos, o que por mim seria sempre algo bom, sinceramente não gostei do timbre com que os instrumentos me soaram. Mas o que interessa mais aqui é a jogabilidade e essa continua frenética e divertida, como já referi.

screenshot

No Strikers II a ameaça alien está mascarada… no centro da Terra!

Para finalizar, só mais umas palavrinhas sobre esta compilação em si. Existem mais dois jogos nesta série que poderiam também estar incluidos mas infelizmente não o foram. O Strikers 1945 III ou Strikers 1999 é um shmup “dos tempos modernos” e o Strikers 1945 Plus que é uma espécie de remake do Strikers 1945 II, com várias diferenças nos padrões de ataque dos inimigos e nas naves que podemos pilotar. A outra diferença está na orientação do ecrã. Enquanto os anteriores eram jogados com monitores na vertical, como este Plus foi desenvolvido para a Neo Geo, tiveram de adaptar para os ecrãs horizontais. E a orientação do ecrã é algo que está contemplado nesta compilação da PS2, pois apesar de por defeito utilizar orientação horizontal, com umas barras laterais que mantêm o aspect ratio, temos também a opção de virar a TV na lateral e adaptar o jogo a essa orientação.

Advertisements

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PS2, Sony com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s