Hybrid Heaven (Nintendo 64)

Hybrid HeavenDesde que peguei no Hybrid Heaven pela primeira vez há uns bons anos atrás através de emulação, após ter visto a sua cutscene de abertura e jogado um pouco, foi daqueles jogos que sempre me deixou com bastante curiosidade em um dia pegar nele “a sério”. Afinal é um jogo produzido pela Konami, estúdio que nos tinha trazido o Metal Gear Solid aproximadamente um ano antes. E pela sua temática, este jogo tinha tudo para ser um jogo maduro na Nintendo 64, consola que peca pela falta de jogos neste género e apesar de ter uma jogabilidade original, ainda tem algumas coisas que deixam um pouco a desejar. Mas já lá vamos! Entretanto, este meu cartucho foi comprado a um particular por cerca de 7€ há uns meses atrás.

Hybrid Heaven - Nintendo 64

Apenas cartucho

Não querendo entrar em muitas spoilers mas já entrando, o jogo envolve conspirações que envolvem aliens (Gargantuans), e um exército de clones humanos geneticamente superiores, os chamados hybrids, que planeiam dominar o mundo ao substituir o presidente dos Estados Unidos com um híbrido e assim causar o caos e destruição. Nós somos o Johnny Slater, guarda costas do presidente que acaba por se ver metido nesta embrulhada. E a história até que tem o seu potencial para um jogo mais maduro, mas infelizmente o mesmo peca por não haver uma grande variedade de cenários. Pensem neste Hybrid Heaven como uma enorme dungeon de vários andares que temos de explorar, quando seria muito mais interessante haver alguma variedade como vemos no Deus Ex, por exemplo.

screenshot

A cutscene inicial bastante cinemática e repleta de mistério fazia prever coisas boas!

A segunda coisa em que este jogo é original é precisamente na sua jogabilidade, sendo completamente distintas mediante se estamos numa fase de exploração ou combate. Na primeira este é um jogo que não deve muito aos Tomb Raiders clássicos pois podemos andar para todo o lado, saltar e até rastejar, temos de procurar pelo equivalente a alavancas e chaves que nos permitem abrir outras portas e por aí fora. Mas eventualmente temos de confrontar alguns inimigos, que por sua vez tanto podem ser os chamados biomonsters, como outros híbridos. Aqui o jogo remete-nos para uma vertente de RPG com um sistema de combate muito original. Quando entramos em modo de combate, a área em que nos podemos mover torna-se muito mais reduzida. Depois andamos a rodear-nos uns aos outros de forma a atingir alguma vantagem táctica até que alguém se decida a atacar. A partir daí temos várias opções para escolher. Se estivermos a atacar podemos escolher se queremos dar socos, pontapés, agarrar e atirar o adversário ou algum combo. Se estivermos a defender podemos optar por bloquear, esquivar ou contra-atacar, jogadas que apenas resultam certo se as escolhermos de acordo com o ataque do adversário. No final do combate, mediante os movimentos que fomos escolhendo, vamos ganhando vários pontos de experiência consoante as partes do corpo que mais usamos no combate, o que nos vai levar a aprender novos golpes e permitindo obter combos mais poderosas. Para além de tudo isto, ainda temos de ter em atenção a um medidor de força e fatiga, para além da quantidade de pontos de vida que tenhamos. É um sistema bastante original que no início estranha-se, mas depois acaba mesmo por se entranhar.

screenshot

Talvez esteja mal habituado hoje em dia, mas ler estes diálogos sem ouvir uma voz soou-me estranho

A nivel técnico é um jogo minimamente competente. Lembrem-se que a Nintendo 64 é um sistema que lê cartuchos, numa altura em que enfiar 32MBytes num cartucho era caríssimo, enquanto os CDs já tinham perto de 700MB de espaço livre. Talvez por essa razão é que todo o jogo se passa dentro de uma enorme dungeon que, apesar de ter salas com “decorações” diferentes, não deixa de ser um jogo com pouca variedade de cenários. O voice acting é practicamente inexistente também por esta razão. Apenas nas cutscenes finais é que ouvimos algumas vozes aqui e ali (e com alguns diálogos que nos vão deixar com vergonha alheia). Por outro lado até que gostei das músicas. Isto porque em grandes partes do jogo não temos música convencional, mas algo puramente ambiental, com algum noise à mistura e que a meu ver até resultou bastante bem.

screenshot

Este é daqueles mapas que roda connosco e não o contrário… um pequeno inconveniente!

Concluindo, apesar de ter alguns pontos originais tanto na jogabilidade como no conceito da história, Hybrid Heaven acabou por me desiluder precisamente no facto da história se tornar demasiado simples e pela pouca variedade de cenários. Mas a sua originalidade nas mecânicas de jogo devem ser elogiadas e como um todo, não o acho um jogo mau.

Advertisements

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em Nintendo, Nintendo 64 com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s