Evoland (PC)

Evoland

Neste passado fim de semana ainda deu para jogar um pouco. E para não variar muito, um dos escolhidos foi mais um videojogo do meu colossal backlog no steam. Evoland é uma interessante homenagem aos jogos de aventura e RPG do género The Legend Of Zelda, Dragon Quest e Final Fantasy, produzido pela Shiro Games. Entrou na minha conta do steam nem sei bem quando nem quanto me custou mas terá sido certamente muito barato nalgum dos muitos indie bundles por aí.

screenshot

Em Evoland iremos atravessar diferentes eras dos videojogos e suas evoluções técnicas e de jogabilidade

Evoland tenta retratar um pouco a evolução dos videojogos em geral, mas dos adventure/RPGs como os acima mencionados. Essa evolução vai sendo notória à medida que vamos encontrando e abrindo vários baús de tesouros. Começamos com um ecrã monocromático e de baixa resolução com a nossa personagem apenas a poder se mover para a direita. Abrimos um cesto e ganhamos a possibilidade de voltar para a esquerda, abrimos um outro e eventualmente lá teremos mobilidade de movimentos, o scrolling começa a existir, os efeitos sonoros, a música, as cores, depois mais detalhe gráfico, o mode 7 no mapa mundo, as batalhas por turnos, os pontos de experiência, o 3D poligonal básico dos primeiros tempos da Saturn e PS1, texturas, as cidades pré-renderizadas à lá Final Fantasy VII e os seus loadings, até que chegamos a um ponto em que deixam de haver loadings morosos e com audiovisuais HD.

screenshot

O sistema de combate por turnos é muito semelhante ao de Final Fantasy, mas as referências a essa série não se ficam por aí

A jogabilidade em si é que se vai mantendo mais ou menos constante. No mapa mundo e em algumas cavernas, os combates são aleatórios e por turnos, numa versão mais simplificada do active battle system dos Final Fantasy, com cada personagem e inimigos a ter uma barra de tempo própria que vai marcando a altura em que poderemos atacar, defender, usar magias ou itens. Por outro lado também existem algumas secções com uma abordagem muito The Legend of Zelda da velha guarda, com aquela perspectiva vista de cima, inimigos muito semelhantes aos que encontramos em Hyrule, e os puzzles típicos que envolvem botões de pressão e o uso de bombas ou flechas que eventualmente também juntaremos ao nosso arsenal. Neste modo de jogo temos também alguns bosses, incluindo o final. Ainda pelo meio há tempo de fazerem uma referência aos action RPGs como o Diablo e o seu loot exagerado.

screenshot

Este look semi-moderno de Zelda até me agrada bastante

A história é muito simples e mais uma vez as referências a Zelda ou ao Final Fantasy VII estão presentes. Temos apenas meia dúzia de dungeons e localidades para explorar, pelo que se não fosse pelo desafio de encontrar todo o conteúdo bónus como as estrelas escondidas ou as cartas, o jogo se terminaria muito rapidamente. Essas cartas têm o seu propósito claro, pois podem ser jogadas num mini jogo muito semelhante ao que se jogava no Final Fantasy VIII. Apanhar todas as estrelas e cartas escondidas acaba por ser algo desafiante pois teremos mesmo muitos puzzles e caminhos secretos para descobrir, a sua maioria nas localidades com jogabilidade à Zelda.

screenshot

Esta vila lembra-vos de algo?

No que diz respeito aos audiovisuais achei um jogo bem competente e com bons resultados naquilo que se compromete: ser uma homenagem aos RPGs ao longo do tempo. As várias evoluções a nível gráfico e de jogabilidade estão bem conseguidas e o mesmo se pode dizer da música que varia do chiptune para algo já com instrumentos “reais”. Algumas músicas até me parece que piscaram mesmo o olho a outras faixas de Final Fantasy, mas pode ter sido só impressão minha. A única música que me custou um pouco a digerir foi a que ouvimos na dungeon que imita o Diablo… preferia de longe a original e aqueles acordes inconfundíveis!

screenshot

Até uma piscadela de olho se dá ao Diablo, se bem que esta foi a menos bem conseguida

No fim de contas, Evoland é um joguinho bastante original e bem agradável de se jogar, para todos os fãs de RPGs ou jogos de aventura como o Zelda, pois irão certamente esboçar um sorriso com as várias evoluções que vão acontecendo, ou mesmo com os clichés da história. A aproveitar quando voltar a aparecer nalgum bundle, ou quando chegarem as steam sales de novo. Mas fico bastante curioso com o que sairá no Evoland 2, pois acho que há aqui potencial para algo ainda melhor trabalhado.

Anúncios

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PC com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a Evoland (PC)

  1. Parece ser um belo jogo!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s