Super Mario Bros. 2 (Nintendo Entertainment System)

Super Mario Bros 2Há algum tempo atrás escrevi um artigo sobre o primeiro Super Mario Advance, um remake / conversão musculada do Super Mario Bros 2 da NES. Nesse artigo referi que inicialmente não gostava muito deste jogo. Afinal desde quando tirar nabos da terra e atirá-los contra os inimigos faz parte de um jogo do Mario? Nabos? E eu que nem gosto nada de nabos! Mas é precisamente por detalhes como esse que se tornou no meu jogo preferido da série clássica do canalizador. Este meu exemplar foi comprado a um particular por 10€, embora seja apenas o cartucho. Update: recentemente ofereceram-me uma caixa novinha em folha e o manual!

Jogo com caixa em estado impecável

Jogo com caixa em estado impecável

Creio que nesta altura do campeonato, com toda a informação a circular na Internet apenas à distância de poucos cliques, todos já devem saber que este jogo é na verdade um “sprite hack” do Doki Doki Panic, já que o Super Mario Bros 2 original apenas se ficou em território nipónico. Essa decisão aconteceu porque alguém na Nintendo achou que não havia nada de novo no SMB2, todos os assets são os mesmos, mas a dificuldade é que era mais elevada e isso poderia alienar o público ocidental. Surgiu então este Doki Doki Panic modificado, repleto de diferentes mecânicas de jogo, tal forma radicais que toda a aventura se passa no decorrer de um sonho, onde Mario, Luigi, Toad e Peach (aqui ainda chamada de Toadstool) visitam um estranho mundo aparentemente com o único objectivo de derrotar Wart e os seus minions.

screenshot

Bowser? Quem é esse?

Tal como referi acima, as mecânicas de jogo são estranhas. Mario tem uma “barra de energia” que pode ser aumentada ao encontrar os cogumelos vermelhos, podemos puxar cenas da terra, como os tais falados nabos, mas que também podem ser outros objectos como os cogumelos, bombas que nos permitem rebentar com algumas rochas e assim abrir novos caminhos (bem como derrotar inimigos), ou mesmo saltar para cima dos inimigos, pegar neles e atirá-los contra os outros. Por vezes podemos também encontrar umas poções que nos levam uma outra dimensão onde podemos encontrar muitos desses power-ups, vidas extra ou mesmo zonas que nos teletransportam para níveis bem mais à frente. Este jogo está dividido em 7 diferentes mundos, cada qual com diferentes temáticas como as habituais paisagens verdejantes, desertos, neve, nos oceanos, à noite, entre outros sítios mais estranhos, e os níveis vão tendo também muito que explorar, pois podemos entrar em várias portas, ao contrário de descer tubos (mas também podemos entrar dentro de jarros que se tornam gigantes por dentro! Eventualmente vamos também defrontar vários bosses que nos vão por à prova todas estas novas mecânicas de jogo. As diferentes personagens que podemos escolher para jogar em cada nível diferenciam-se entre si nos seus movimentos, com Luigi a conseguir saltar mais alto, Peach a cair mais lentamente e Toad… bem… esse não me lembro! Mas quem é que jogava com o Toad??

screenshot

Estas poções servem para nos transportar para uma dimensão paralela, onde poderemos encontrar vários bónus

A música é excelente. Adoro o chiptune de NES e as músicas deste jogo são muito possivelmente das minhas preferidas da plataforma. Uma delas acaba mesmo por ser uma das minhas músicas preferidas de sempre nos videojogos (já agora ouçam lá a interpretação dos Estradasphere desse tema). Os efeitos sonoros cumprem bem o seu papel e a nível gráfico também gostei bastante, principalmente por toda a estranheza dos níveis, dos inimigos, de tudo!

Apesar de o jogo ter sido remasterizado na SNES com o Super Mario All-Stars, ou posteriormente na Gameboy Advance com uma conversão de luxo, ainda continuo a gostar bastante da versão original de NES. E ainda hei-de um dia destes arranjar o Doki Doki Panic para a Famicom, só por causa das coisas!

Anúncios

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em NES, Nintendo. ligação permanente.

Uma resposta a Super Mario Bros. 2 (Nintendo Entertainment System)

  1. Pingback: [GHZ] Pickups #26 – Dezembro 2016 | GreenHillsZone

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s