Grand Theft Auto (Sony Playstation)

screenshotÉ inegável o impacto que Grand Theft Auto teve nos videojogos. Por um lado por toda a polémica do seu conteúdo não só violento, como pelas missões criminosas que eramos “obrigados” a desempenhar se quiséssemos chegar ao fim. Mas por outro, e para mim bem mais importante, pelo mundo em sandbox e a enorme liberdade que nos oferecia. Mesmo estando muito longe das altas produções que vemos no mais recente jogo da série, o original é sem dúvida um jogo de peso, que eu joguei bastante no PC, back in the day. Entretanto, numa das minhas idas à Cash Converters de Alfragide encontrei-o completo a 2.5€, e mesmo não estando nas melhores condições, acabei por o trazer.

Grand Theft Auto - Sony Playstation

Jogo completo com caixa, manual e mapas

As minhas recordações maiores deste jogo serão naturalmente da versão PC, mas para além de não ser possível escolher as personagens femininas na versão PS1 e os gráficos um pouco mais pixelizados, não estou a ver que outras diferenças fundamentais possa haver entre ambas as versões pelo que vou usar as minhas recordações da versão para PC como base para este artigo. E aqui entramos numa aventura ao longo de 3 cidades norte-americanas baseadas em cidades reais, trabalhando como capanga para várias organizações criminosas e fazer muitos dos seus trabalhos sujos. Ou então não! Podemo-nos limitar a andar pela cidade e javardar que nem um perdido até que nos fartemos do jogo. A primeira cidade a visitar é a Liberty City, uma referência a Nova Iorque. Aqui o objectivo é fazer pelo menos um determinado número de pontos em cada nível. Podemos fazê-lo ao cumprir as missões que nos vão sendo atribuídas, ou ao semear o caos e a destruição, ou então porque não ao fazer ambos? Tendo atingido esse número de pontos, podemos seguir a setinha vermelha que nos leva ao local para terminar o nível, entrando depois no seguinte, sem ser necessário cumprir o resto a 100%. Existem 2 níveis por cidade, cada um com um patrão novo e novas missões a cumprir. Ah, as outras cidades são San Andreas, inspirada em San Francisco e Vice City, inspirada na solarenga Miami.

screenshot

Por vezes a polícia pode tornar a nossa vida bem mais difícil, é bom que encontremos alguma body armor espalhada pelos níveis

As missões acabam por ser muito semelhantes entre si, mas todas elas começam com um telefonema. Depois lá teremos de roubar alguns carros, “silenciar” algumas pessoas pelos mais variados motivos, enfrentar gangs rivais ou conduzir carros bomba, por exemplo. Ao fazê-lo muitas vezes vamos tendo a polícia à perna, aliás, isso é algo que pode acontecer mesmo que não estejamos a fazer nenhuma missão. Atropelar pessoas aleatórias, disparar em alguém ou bater em carros da polícia é motivo para os ter todos às costas, com um alerta que pode ir de 1 a 4, e nesse alerta máximo a polícia vai ser cada vez mais agressiva. Claro que nos podemos safar da situação ao levar um carro para uma oficina que lhe troca a matrícula e a cor do carro, mas chega por vezes a ser ridículo termos toda a polícia da cidade à nossa pega e mal entremos na oficina e saímos logo a seguir, tudo fica esquecido e perdoado. Oh well. Temos de ter cuidado em não sermos presos, o que nos reduz a pontuação para metade, ou ser mortos, quer pela polícia, quer por outros bandidos, quer pela nossa própria estupidez, pois temos um número de vidas limitado em cada nível.

screenshot

Existem várias missões secretas em cada nível, mas tal como as principais apenas a pontuação interessa para passar de nível

De resto graficamente é um jogo bastante simples, sendo visto com uma vista aérea, mas bastante funcional. As cidades são grandinhas e convém mesmo darmos uso aos mapas que vieram com o jogo, pois apesar de termos (quase) sempre uma seta a indicar a direcção a seguir, nem sempre nos podemos fiar nisso e somos obrigados a dar uma volta maior para circundar alguns obstáculos. Mas se por um lado temos gráficos ainda simplistas, por outro temos uma banda sonora de luxo. Toda ela composta principalmente por 3 artistas, engloba toda uma série de bandas fictícias que atravessam muitos géneros musicais. Temos rap, funk, pop, country, techno e até hard rock, mas a qualidade das músicas é inegável e certamente muitas delas até passaram por ser de bandas reais. Essas músicas podem ser ouvidas na forma de várias estações de rádio, que geralmente tocam por defeito em vários modelos dos carros que vamos conduzindo. Também havia a possibilidade de meter um cd de música na drive e o jogo ia tocando as músicas de forma aleatória, algo que penso que ainda exista nos GTAs actuais. Já no que diz respeito aos diálogos, o voice acting apenas existe nas cutscenes de final de nível, que sinceramente deixam algo a desejar. Ao longo do jogo todos os diálogos são escritos, acompanhados de alguns efeitos especiais.

screenshot

Tenho pena que as cutscenes não tenham sido mais caprichadas

No fim de contas, o primeiro Grand Theft Auto é um jogo bastante importante, quanto mais não seja para cimentar a DMA, depois Rockstar North como uma software house a ter em conta. A sua jogabilidade sandbox que nos dava grandes liberdades é para mim o aspecto mais importante deste jogo, independentemente da sua violência e outras questões polémicas. Passei muito mais tempo a javardar (e com os cheat codes lendários) a semear o caos e a destruição nas 3 cidades, do que propriamente a tentar seguir tudo direitinho, e isso para mim quer dizer muita coisa.

Anúncios

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PS1, Sony com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s