Little Inferno (PC)

O artigo de hoje será mais uma rapidinha a um jogo indie, pois o tempo tem sido algo escasso. Little Inferno é o que poderiamos chamar de “Lareira Simulator on steroids“, pois na verdade a única coisa que fazemos em 99% do jogo é meter as mais variadíssimas coisas numa lareira e ver como ardem. Um bom jogo para piromaníacos, portanto. Tal como muitos outros jogos indie que disponho na minha conta steam, este foi também comprado num dos vários humble bundles que já sairam, por uma bagatela.

Little Inferno - PCO que diferencia este jogo é que é o mais casual possível. Não há pontuações, vidas, tempos, nada disso. Jogamos o quanto quisermos, mas no entanto vamo-nos apercebendo da história que decorre à nossa volta e chega a um ponto em que se o quisermos, podemos mesmo por um fim à história do jogo, bastando para isso colocar na lareira uma série de objectos muito característicos a arder em conjunto. Basicamente, está um frio de rachar nas ruas, e as pessoas são aconselhadas a ficarem dentro de casa no quentinho. E para providenciar o quentinho, um dos produtos mais populares são as lareiras Little Inferno, supostamente indicadas para as crianças brincarem com elas, ao deitando fogo numa grande diversidade de objectos.

Little Inferno (1)

Temos ao todo 7 catálogos para desbloquear e muitos items para queimar.

Ora o jogo começa connosco a receber algumas cartas e papelada que explicam o conceito do mesmo. Depois é só arrastar esses papéis para a fogueira e chegar lume. Para acender os objectos basta clicar com o rato e arrastá-lo se assim o desejarmos. Podemos também manipular os objectos na fogueira à vontade, bastando clicar neles com o rato e arrastá-los para onde pretendamos. Quando os objectos ardem recebemos moedas, que poderemos depois utilizar para comprar objectos em vários catálogos diferentes que vamos desbloqueando. As coisas para queimar são imensas, como brinquedos de peluche, televisões, caixas de cereais, ou até pequenos planetas com o seu próprio campo gravítico! Todos os objectos têm reacções diferentes ao arder e podemos também desbloquear uma série de combos ao colocar determinados objectos a arder em simultâneo. Por exemplo, uma “Time Bomb Combo” não é nada mais que um relógio antigo e uma pequena ogiva nuclear combinados. Mas tudo com as respectivas normas de segurança! Eventualmente vamos continuando a receber cartas de outras pessoas que vão prosseguindo com a “história”, como uma menina que acabamos por nos aperceber que é nossa vizinha e está a ficar cada vez mais piromaníaca, ou a dona da empresa que constrói as lareiras Little Inferno que nos vai mandando uns bitaites também. No geral todo o jogo é passado assim, e tendo em conta que ganhamos um pouco mais de dinheiro a queimar as coisas do que o gasto, ao fim de algum tempo e paciência lá vamos conseguir os upgrades todos à nossa mailbox (para conseguir comprar mais items ao mesmo tempo), e descobrir todas as combinações especiais. Mas reafirmo, isto não é necessário para se chegar ao fim.

screenshot

Utilizando os items certos, até fogo pixelizado conseguimos

Tal como referi algures lá em cima, é o jogo mais casual possível, pois para além de não ser possível perder (mesmo quando não temos dinheiro lá aparecem uns insectos que podemos matar e que nos dão mais uns trocos), podemos sair e recomeçar de onde estávamos a qualquer altura. E o que o jogo não tem em desafio, ganha pelo seu estilo e humor negro. Não é qualquer jogo que inspira o piromaníaco que há dentro de nós, nem que nos deixa queimar coisas completamente do arco da velha. Mais um exemplo: um autocarro escolar de brincar, quando vai ao lume, ouvem-se gritos de crianças assustadas! Também se encontram referências a outros jogos (muitos deles indie como Super Meat Boy ou World of Goo). Os visuais no geral são bastante cartoonescos e a banda sonora também se adequa bem ao jogo.

screenshot

Vamo-nos apercebendo da história do jogo à medida que vamos recebendo e lendo estas cartas.

Little Inferno é um jogo algo difícil de recomendar pelo seu pouco ou nenhum desafio. Ainda assim não deixa de ser bastante original e se o virem nalguma steam sale ou num bundle a preço convidativo, então sim, recomendo que o experimentem.

Anúncios

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PC com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s