Star Wing (Super Nintendo)

Star Wing - SNESStar Fox, que por alguma razão ter-se-á chamado Star Wing nos territórios PAL, é o primeiro jogo da Super Nintendo a aproveitar o chip Super FX, um dos muitos chips adicionais utilizados pela Nintendo e outras empresas nos seus jogos de SNES, conferindo-lhes diversos efeitos gráficos ou cálculos matemáticos adicionais que de outra forma não seriam possíveis de alcançar com o hardware normal. O Super FX ficou conhecido por atribuir à SNES a capacidade de correr jogos repletos de modelos 3D poligonais, onde o Star Fox foi o primeiro jogo a utilizar este chip. Naturalmente foi um jogo muito badalado por esta “nova tecnologia”, e assim nasceu mais uma franchise clássica da Nintendo. O jogo chegou-me à colecção por intermédio de um bundle Super Nintendo que adquiri recentemente a um colega de trabalho a um muito bom preço. Está completo com caixa e manuais e em estado razoável.

Star Wing - Super Nintendo

Jogo completo com caixa, manuais a cores e papelada.

O jogo coloca-nos na pele da raposa Fox McCloud, líder do grupo de mercenários Star Fox, composto também pelo sapo Slippy Toad, o coelho Peppy Hare e o falcão Falco Lombardi. No início dos anos 90 deveria haver uma moda qualquer com cientistas malucos a tomarem o papel de vilões nos videojogos e Star Fox não fugiu a essa regra. Aqui o energúmero é o Dr. Andross, banido do pacífico planeta Corneria e após se refugiar no planeta Venom, lançou um exército que atravessa o sistema solar Lylat para atacar a civilização de Corneria. General Pepper incumbe então a Fox McCloud e sua equipa que usem as suas Arwings, naves com tecnologia de ponta para derrotar Andross, desde Corneria até ao seu reduto em Venom.

screenshot

Antes de cada nível, o sargento Pepper faz-nos sempre um briefing do que iremos enfrentar

O jogo assume-se como um shooter on rails, onde guiamos a nossa Arwing ao longo de um percurso pré-estabelecido, atravessando cidades, os confins do espaço, cinturas de asteróides, o interior de estações espaciais, entre outros locais. Este jogo aborda a questão dos níveis de dificuldade de uma maneira diferente. Após concluirmos o primeiro nível do jogo no planeta Corneria, podemos escolher jogar um de 3 caminhos diferentes até chegar ao planeta Venom. Cada um destes caminhos significa um grau de dificuldade diferente, porém obviamente com níveis também diferentes. Isto aumenta sem dúvida o factor de replay do jogo, pois se quisermos ver tudo o que o jogo tem para nos oferecer, teremos de o jogar nos 3 níveis de dificuldade. Para além do mais, existem ainda 2 níveis secretos a descobrir.

screenshot

No final de cada nivel a nossa pontuação é dada pela percentagem de inimigos destruídos e os níveis de escudos restantes

Apesar de o jogo decorrer on rails, existe um certo grau de liberdade na nossa movimentação, podemos acelerar ou travar, ou mesmo executar o mítico “do a barrel roll!“, que consiste em colocar a nossa Arwing a rodopiar para se desviar mais rapidamente de fogo inimigo ou algum obstáculo, para além de podermos também alternar entre diferentes perspectivas da câmara. McCloud e os seus companheiros possuem um escudo, pelo que ao contrário de muitos outros shooters da época, não basta um hit para perder uma vida. Mas no entanto, se chocarmos repetidamente contra obstáculos é possível que a nossa Arwing perca uma ou ambas asas, o que nos irá dificultar os movimentos depois. O escudo dos nossos companheiros é também importante porque eles voam atrás de nós, supostamente a dar apoio. Em alguns momentos pré-definidos eles passam para a frente do ecrã, a perseguir ou serem perseguidos por um inimigo, pedindo a nossa ajuda. Se não os ajudarmos, os seus escudos vão baixando e caso a nave de algum deles seja destruída, deixa de aparecer no restante jogo. Para além dos lasers normais, podemos também utilizar umas bombas que dão um enorme dano, sendo essas bem úteis nos vários bosses que defrontamos. Esses bosses existem no final de cada nível, e são na sua maioria grandes objectos poligonais, com diversos ataques e com algumas fraquezas que são a chave da sua derrota.

screenshot

Alguns backgrounds são simples, mas bastante funcionais.

Graficamente nos dias de hoje o jogo envelheceu muito mal, tal como practicamente todos os jogos com 3D poligonal arcaico. Mas em 1993, e numa Super Nintendo, o resultado foi bastante revolucionário e, apesar de já existirem alguns jogos poligonais em consolas, sem requererem hardware adicional (Hard Drivin’ é um exemplo), a sua qualidade estava muito aquém deste Star Fox. Apesar de os gráficos serem essencialmente blocos sem texturas, o jogo apresenta vários diferentes visuais, tal como já referi atrás. Atravessar a pista de obstáculos no interior da estação espacial, onde temos de abrir portas disparando-lhes e desviar de obstáculos a alta velocidade, é um dos melhores momentos do jogo. E tendo em conta que podemos alternar a câmara do jogo para primeira pessoa também, ainda melhor. As músicas são o clássico da Nintendo, sempre com melodias memoráveis, muitas delas ainda utilizadas nos Star Fox recentes, ou noutros jogos que de vez em quando lá piscam o olho à série, como os Super Smash Bros., por exemplo. A faixa que se ouve enquanto percorremos as cidades de Corneria é um dos hinos da Nintendo aos videojogos.

screenshot

Os bosses tendem sempre a serem gigantescos, e com diferentes estratégias para os derrotar

Concluindo, Star Wing/Fox é um jogo que chamou muito a sua atenção pelos gráficos poligonais, cortesia do chip Super FX, desenvolvido pela Argonaut. Apesar de estar muito ultrapassado graficamente nos dias de hoje, a sua jogabilidade continua intemporal, tendo marcado uma nova geração de shooters em 3D, que até à altura, desconheço se havia algo semelhante em arcades ou outros sistemas. No entanto, como não sou o maior fã do mundo de jogos deste género, continuarei a escolher o Starfox Adventures como o meu jogo preferido da série. Haters gonna hate.

Anúncios

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em Nintendo, Super Nintendo. ligação permanente.

Uma resposta a Star Wing (Super Nintendo)

  1. Aquela música de Corneria!

    Essa da dificuldade faz-me lembrar o Spiderman para a PSX, que modificava os níveis conforme o nível de dificuldade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s