Professor Layton and the Spectre’s Call (Nintendo DS)

Professor Layton and the Spectre's CallE para finalizar a série de artigos sobre o Professor Layton, pelo menos até comprar uma 3DS, fica aqui a análise ao The Last Spectre. Embora o Lost Future tenha deixado em aberto uma nova história, a Level 5 decidiu em dar uma de George Lucas e começar uma nova trilogia, que decorre antes dos primeiros 3 jogos, sendo este The Spectre’s Call oficialmente o primeiro jogo na ordem cronológica da série. Ao contrário dos anteriores que foram todos comprados na Radio Popular a 10€, este foi adquirido numa promoção ainda mais cativante. O jogo ficou-me por 3€, tendo sido comprado numa Mediamarkt em Vila Nova de Gaia, por intermédio do amigo Luís Filipe Teixeira, a quem agradeço.

Professor Layton and the Spectre's Call - Nintendo DS

Jogo completo com caixa, manual e papelada

O jogo decorre então 3 anos antes da aventura de Curious Village, onde Layton recebe uma carta aparentemente escrita pelo seu amigo Clark Triton dizendo que a sua localidade de Misthallery está sendo atacada à noite por uma criatura misteriosa conhecida por “Spectre”. Layton entretanto acaba também contratar a jovem Emmy Saltava como sua assistente pessoal na Universidade de  Gressenheller e juntos partem para Misthallery de forma a tentar resolver mais esse mistério. Quando falam com Clark, descobrem que a carta no fim de contas foi escrita pelo seu filho, o jovem Luke Triton que já conhecemos dos jogos anteriores, mas é neste jogo que sabemos como ele e Layton se conheceram. Acontece que o Luke fez o trabalho de casa e descobriu várias pistas para resolver o mistério que assola Misthallery, acabando então por juntar-se a Layton e Emmy nesta aventura. Como é habitual na série, a história depois envereda por outros caminhos, tornando-se mais abrangente e com o mistério inicial a evoluir por outras direcções. Infelizmente, depois de ter jogado o Lost Future, este Spectre’s Call pareceu-me uns furos abaixo na sua história. Mas talvez tenha sido por ter jogado os 4 jogos de tacada.

professor-layton-and-the-last-specter-puzzle-screenshot-532x800

Os puzzles seguem a mesma lógica das hint coins e afins

E tal como os outros Professor Layton, a jogabilidade prende-se em 3 frentes: a parte de aventura, onde temos de explorar todos os cenários e falar com todas as pessoas, de forma a encontrar pistas e outros segredos; a parte do puro e duro puzzle solving, sendo puzzles de diversas temáticas, sempre utilizando a interface touchscreen da DS; por fim, o conjunto de minijogos acessíveis a qualquer momento do jogo principal. Não havendo grandes inovações na primeira parte, passemos para os minijogos. Um deles é algo semelhante ao circuito de carros que existe no Lost Future, mas agora com comboios. Desta vez temos de construir um caminho de ferro que leve um comboio de brincar do ponto A ao ponto B, passando por todas as estações, não ficando sem combustível entretanto e evitar colidir com outros carros ou comboios que se movem ao mesmo tempo noutros circuitos já desenhados. Um outro consiste num peixe a mover-se num aquário. O peixe apenas se pode movimentar diagonalmente, numa direcção prédeterminada. O objectivo consiste em fazer com que o peixe capture todas as moedas espalhadas pelo aquário. Para isso dispomos de um número limitado de bolhas de ar em que as temos de espalhar no aquário, de forma a que, quando o peixe vá contra as mesmas, mude de direcção e consiga capturar todas as moedas. O terceiro consiste numa espécie de teatro de marionetas, em que vão construindo pequenas histórias e o jogador deverá completar algumas frases com vocabulário que vai descobrindo ao longo da aventura principal. Infelizmente estes minijogos não são tão originais ou cativantes como os anteriores, mas este Professor Layton tem um trunfo na cartola que infelizmente os europeus não tiveram o prazer de o descobrir. Em todos os outros lançamentos, existe um mini-jogo chamado London Life, em que consiste num pequeno RPG passado em Little London que muito me faz lembrar a série Mother/Earthbound. A desculpa oficial pela qual nós, europeus, não tivemos acesso a esse fantástico minijogo prende-se por falta de tempo em traduzir tudo para as diferentes línguas. Bah, lançavam em inglês e quem não soubesse que fosse aprender.

screenshot

London Life, o jogo que nós não jogamos

De resto o jogo cumpre com a maestria já habitual no quesito audiovisual. Os artworks continuam excelentes, as personagens bizarras e carismáticas, a animação de excelente qualidade tendo em conta a plataforma em questão, bem como o muito competente voice-acting e músicas no geral. A fórmula poderia já estar a ficar um pouco gasta neste jogo (eu senti isso), mas quem gostou dos jogos anteriores, certamente irá também passar um bom bocado com este Spectre’s Call.

Anúncios

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em DS, Nintendo com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s