Professor Layton and the Lost Future (Nintendo DS)

Professor Layton and the Lost FutureDe volta para mais um artigo sobre a série Professor Layton para a Nintendo DS, e não será certamente o último pois ainda tenho mais um para falar em seguida  (o Spectre’s Call). Mais uma vez, aconselho a leitura do artigo do primeiro jogo da série (Curious Village) pois este mais uma vez mantém as mesmas mecânicas de jogo e aspecto audiovisual. Também como os outros dois jogos anteriores, este foi adquirido recentemente na Rádio Popular do Norteshopping, por uma quantia próxima a 10€.

Professor Layton and the Lost Future - Nintendo DS

Jogo completo com caixa, manual e papelada

Mais uma vez, o jogo coloca a dupla Layton e Luke no meio de uma trama mirabolante, repleta de vários mistérios para resolver e na minha opinião esta é a melhor história de todas na série. O jogo abre com Layton e Luke a atenderem a uma demonstração de uma máquina do tempo por parte do Dr. Alain Stahngun. Infelizmente a coisa corre para o torto, resultando no desaparecimento do primeiro ministro britânico que lá estava a assistir ao evento. Eventualmente outros cientistas vão desaparecendo gradualmente, até que Luke e Layton recebem uma carta intrigante, endereçada pelo próprio Luke 10 anos no futuro. Ao investigar esta coisa absurda, a dupla depara-se com uma outra máquina do tempo que os transporta a uma diferente realidade, onde conhecem o Luke do futuro e Layton nesse período aparentemente tornou-se líder de um gang mafioso, sendo temido por todos. A história diverge bastante a partir daqui, e como sempre vamo-nos aperceber que nem tudo o que parece é, para além de vislumbrarmos um pouco mais do passado amoroso de Layton.

screenshot

A misteriosa máquina do tempo que tanto iremos utilizar

As mecânicas de jogo são essencialmente as mesmas dos jogos anteriores. A aventura principal está assim dividida numa mistura entre a jogabilidade de um jogo de aventura tradicional com a pura resolução de enigmas. A parte de aventura consiste em explorar diversos cenários, para encontrar items ou puzzles escondidos, e falar com as personagens ou interagir com alguns objectos de forma a resolver mais enigmas e progredir na história. Os enigmas são mais uma vez contextualizados com a história ou com os problemas que os habitantes locais se queixam, e continuam a ser variados, desde temas de lógica, matemática ou outros puzzles mais convencionais de tentativa-erro como os de arrastar painéis que eu tanto “adoro”.

screenshot

Estes género de puzzles irritam-me solenemente, mas como há quem gosta…

Como vem sendo habitual, existem algumas recompensas em procurar resolver todos os puzzles e explorar os cenários ao máximo, pois para além das hint coins que podem ser utilizadas na resolução dos enigmas, podemos também descobrir outros items que podem ser utilizados em vários mini-jogos, acessíveis a qualquer altura da aventura principal. E nesta aventura contamos diversos mini-jogos, um deles consistindo em coleccionar diversos autocolantes para preencher alguns livros com pequenas histórias, mediante o seu contexto. Um outro consiste em colocar uma série de trampolins em pontos chave de um cenário com alguns obstáculos, de forma a lançar um papagaio do ponto A ao ponto B para fazer entregas. O que eu achei mais piada foi o mini-jogo que consiste em colocar uma série de setinhas num circuito de carros de brincar, de forma a obrigar o carro a virar para onde a seta indicar para que o mesmo se desvie de alguns obstáculos e atinja a meta. Para além do mais existe muito outro conteúdo bónus a ser desbloqueado ao completar-se 100% do jogo, como tem sido habitual na série, bem como alguns enigmas para se fazer download através da estrutura online da Nintendo DS.

No que diz respeito ao audiovisual, este é o jogo mais bem conseguido dos 3 primeiros, na minha opinião. Em parte pela história que acaba por ser muito bem elaborada, noutra nota pela capacidade de armazenamento deste jogo ter quadruplicado face aos primeiros. Aqui temos mais de meia hora de animações de alta qualidade, tendo em conta a baixa resolução da DS e capacidade de armazenamento limitada. E isto é também válido tanto para as músicas que estão excelentes, bem como para o voice-acting que mantem o mesmo nível de charme e peculiaridades das diferentes personagens que vão surgindo. O mesmo pode ser dito para o artwork no geral que, como já referi nos anteriores, mantém um estilo banda desenhada europeia que tanto gosto.

screenshot

Layton e ambos os Lukes

No fim de contas este pode ser “mais um Professor Layton”, com poucas novidades de grande relevo. Na verdade não inova muito para além dos novos minijogos, mas possui uma história que a meu ver está muito boa e quem gostou dos anteriores, certamente irá também gostar deste Lost Future, como foi o meu caso.

Anúncios

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em DS, Nintendo com as etiquetas . ligação permanente.

5 respostas a Professor Layton and the Lost Future (Nintendo DS)

  1. Pingback: Professor Layton and the Spectre’s Call (Nintendo DS) | GreenHillsZone

  2. BlackwaterPark diz:

    Muito bem, é um dos meus preferidos da série e da DS no que toca a cenas puzzlescas, muito por causa da maluquice com as viagens no tempo.
    Não sei se já jogaste mas provavelmente deves conhecer, o 999 e Ghost Trick, acho que são dos jogos mais interessantes que joguei na DS dentro desta onda, juntamente com o Layton.

    • cyberquake diz:

      Olha tu por aqui 🙂
      Não sabia que também tinhas DS. O 999 por acaso não conheço – apenas de nome. Já o Ghost Trick comprei-o ha coisa de um mês, ainda não tive tempo de lhe pegar.

      • BlackwaterPark diz:

        Andava a cuscar 🙂
        Ghost Trick fica bem na colecção, também é um dos que tenho originais.
        O 999 mistura exploração point & click em first person com o tipico estilo visual novel jap de múltiplos caminhos e finais, mas o que é realmente prende é o mistério da coisa e a complexidade da história, está bem conseguido.

      • cyberquake diz:

        Vou cuscar esse jogo, obrigado!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s