Killzone (Sony Playstation 2)

Killzone PS2Resident Evil? Sim, escreverei sobre a série novamente amanhã. Acontece que acabei de finalizar este Killzone para a PS2 e quero aproveitar para escrever enquanto tenho a experiência fresca. Killzone é um jogo que sofreu uma grande campanha publicitária antes do seu lançamento, elevando bastante as expectativas dos fãs de PS2 na esperança que este jogo fosse o tão desejado “Halo-killer“. Como sempre, manter as expectativas demasiado elevadas nunca é boa ideia e Killzone é um bom jogo, embora com uma série de problemas que irão ser mencionados. A minha cópia original foi comprada no ebay UK, entretanto arranjei mais recentemente uma edição especial que contém uma sleeve de cartão mais um dvd bónus que sinceramente ainda não tive tempo de assistir. Custou-me 5€ na Feira da Ladra.

Killzone - Sony Playstation 2

Jogo com caixa, sleeve de cartão, manual e disco de bónus. Gosto mais do manual da versão original though.

A narrativa de Killzone decorre no futuro, onde a humanidade chegou a um nível de tecnologia avançado que lhe permitiu colonizar vários planetas. A certa altura dá-se uma guerra entre a civilização humana “ISA” (Interplanetary Strategic Alliance) e o Império Hellghast. ISA sai vitoriosa e o povo Hellghast vê-se forçado a exilar-se num planeta com condições ambientais muito agrestes, de tal forma que com o passar dos anos os Hellghast foram-se mutando para conseguirem sobreviver naquelas condições e junto de Visari, o seu Imperador, foram alimentando um enorme ódio pela Humanidade. O exército dos Hellghast vai-se recompondo, ganhando força e a certa altura decidem invadir o planeta das ISA mais próximo – Vekta, começando assim esta aventura. O jogo coloca-nos inicialmente na pele do Capitão Jan Templar, das forças ISA enquanto luta desesperadamente para repelir as forças invasoras nos subúrbios da cidade de Vekta. Ao longo do jogo vamos conhecendo mais 3 personagens jogáveis de diferentes forças militares da ISA. Luger é uma Shadow Marshal, assassina de elite especialista em manobras “stealth“, Rico é o típico “Rambo” equipado com uma metralhadora pesada que destrói tudo o que mexe e finalmente Hakha, um híbrido humano/hellghast que serve de espião ao serviço das forças ISA.

screenshot

Os níveis na selva pareceram-me os mais detalhados

O jogo está dividido em 11 níveis, cada um com um conjunto de variável de subníveis. Antes de cada nível temos a liberdade de escolher qual dos 4 personagens jogar (à medida que vão sendo desbloqueadas), as restantes são controladas pela inteligência artificial. A escolha das personagems varia ligeiramente os diálogos existentes no nível, bem como os objectivos ou percurso, pois cada personagem tem várias características diferentes. Templar é o tradicional “faz-tudo”, com mobilidade razoável. Luger tal como disse acima é perita em infiltrações, sendo a pessoa do grupo mais ágil, com mais aptidão para o “sniping” e com maior mobilidade no sentido de ultrapassar obstáculos e esgueirar-se por recantos pequenos. Rico é o elemento mais lento, porém o que consegue suster mais dano e o que melhor opera o armamento pesado. Finalmente, Hakha por ser meio Hellghast consegue passar despercebido entre os alarmes colocados pelos próprios e tem maior aptidão para utilizar o armamento Hellghast (maior capacidade de munição). Os controlos são o habitual nos FPS na PS2, mas com algumas chatices. A mira da sniper rifle é horrível, sendo bastante difícil de controlar, e o facto do botão de sprint ser “o mesmo” do movimento (pressionar L3 enquanto se desloca o stick para a frente) torna a experiência de correr muito irritante, o que era desnecessário. Ainda assim o jogo oferece a oportunidade de customizar os botões à nossa maneira. Outra coisa que me chateou imenso na questão da jogabilidade é o jogo não possuir um botão de salto. Existem vários obstáculos no jogo que poderiam facilmente ser transpostos com um simples botão de salto, no entanto se não tivermos a jogar com Templar ou Luger que são inteligentes o suficiente para avançarem esses pequenos obstáculos, vemos-nos forçados a dar uma grande volta para chegar ao mesmo destino. O jogo é uma experiência altamente linear, apesar de de vez em quando surgir um mapa aberto o suficiente para termos 2, 3 maneiras diferentes de abordar uma situação. À semelhança de Medal of Honor e Call of Duty, Killzone utiliza bastante os eventos pré-programados para dar alguma dinâmica ao jogo e um sentimento mais épico.

screenshot

A horrível mira da sniper rifle

Graficamente falando, Killzone é um jogo que fica bastante bonito no papel. Em movimento torna-se uma mistura de feio/belo um pouco difícil de se explicar mas vou tentar. Em primeiro lugar, eu gosto da artwork do jogo. Os cenários urbanos são detalhados (e bonitos para o meu gosto), os veículos, inimigos, armamento no geral também está bem conseguido na minha opinião. Volta-e-meia há alguns cenários (como o da selva, por exemplo) que coloca uns óptimos efeitos de luz. Fumo e partículas quando existem também estão convincentes, embora nada ao nível de um Black. O problema dos gráficos deste jogo é que para ser mostrado um mundo aberto e detalhado, os objectos/inimigos/NPCs que estão longe ficam renderizados de forma muito pobre, com poucos polígonos, e à medida que nos vamos aproximando, o detalhe vai sendo cada vez maior. Isto no papel até pode ser uma boa ideia e um bom truque para maximizar o poder do hardware da PS2. O problema é que isto não é feito de uma forma suave e para além de se notarem quebras de framerate, é muito comum que quando nos aproximamos de um objecto, parede, ou personagem, estes ainda estão com os seus visuais “low-res”, demorando algum tempo até que fiquem “bonitos”. Quando vamos avançando num nível com muitos detalhes (uma zona florestal, por exemplo), é frequente ver o cenário à nossa volta mutar-se frequentemente, com bastante pop-in digno de um Daytona USA na Sega Saturn.

A nível de som, este jogo conta com várias orquestrações para aqueles momentos de maior tensão, tal e qual como se um filme/jogo da 2a Guerra Mundial se tratasse. O jogo é competente neste caso, o voice-acting é bom. O problema nesta área é que devido à escassez de variedade de inimigos, há também uma escassez de falas dos mesmos. Vamos ouvir vezes sem conta a mesma voz para todos os Hellghasts e as mesmas frases/gritos de ordem. Para a nossa equipa vai acontecendo a mesma coisa, mas siga.

screenshot

Interessante o efeito de blur quando se usa o sprint

Antes de finalizar, convém referir o multiplayer. Killzone oferece multiplayer local para 2 jogadores, bem como um modo online que suporta até 16 jogadores. Foram criados 8 mapas para uso no multiplayer e podem ser escolhidos vários modos de jogo, entre os quais os já familiares (Team) Deathmatch, Domination e Assault, bem como “Supply Drop”, que se trata de uma variante do Capture the Flag, e o modo “Defend & Destroy”, onde as equipas para além de terem de defender alguns pontos-chave, têm também de atacar os da equipa oponente. Para terminar, Killzone é um bom exemplo do porque não se deve gerar tanto hype assim em torno de um jogo. Gostei bastante do conceito do jogo em si, e a história tem pernas para andar (tanto que já existem pelo menos 2 sequelas e um outro jogo para a PSP), mas neste caso é notório que o jogo a certa altura teve de ser apressado, pois ainda possui uma série de bugs gráficos. A jogabilidade infelizmente também não é a melhor e a IA (que não referi acima) também tem os seus problemas. Ainda assim, não deixa de ser um jogo agradável, apesar da sua extrema linearidade, tendo também um bom potencial de melhorar bastante no futuro (o que pelos vistos acabou por acontecer).

Advertisements

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PS2, Sony com as etiquetas . ligação permanente.

3 respostas a Killzone (Sony Playstation 2)

  1. Este é daqueles jogos que merecia um remake com a qualidade do Killzone 3. Mas como o joguei no seu tempo, na altura não me pareceu tão “mau”. O da PSP é a verdadeira sequela deste, btw, sendo depois precedido pelo 2, em termos de continuidade da história.

  2. cyberquake diz:

    A jogabilidade foi a única coisa que realmente me irritou neste jogo. A questão dos bugs gráficos nem tanto, mas para um jogo que se vangloriava ser o “halo killer” não é muito abonatório.

  3. Pingback: Actualização em vários artigos. | GreenHillsZone

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s